Mensagens Subliminares

Por Fabrício Alves

21/02/2007

Para quem não sabe, um segundo de filme é formado por uma seqüência de frames, ou quadros. Pois bem. Na década de 50 foi feita a primeira experiência publicitária organizada sobre uma técnica denominada propaganda subliminar. Subliminar é tudo aquilo que é percebido por nossa visão periférica e que por conseguinte vai direto ao subconsciente, sem que ao menos saibamos.

Em um determinado filme foi introduzido em um único frame dentro de cada segundo uma mensagem onde se lia "Beba Coca-Cola". Terminada a sessão, foram registrados índices bem superiores de venda de Coca-Cola naquele cinema, naquele dia. Propaganda subliminar em quase toda Europa e Estados Unidos é uma técnica proibida, pois a pessoa é exposta a uma mensagem e não tem consciência disso. Na década de 70, empresas americanas programavam softwares que emitiam mensagens subliminares incitando os funcionários a trabalharem cada vez mais.

E para quem pensa que Propaganda Subliminar começou apenas após esses testes na década de 50, se engana. Hitler já utilizava-se dessas técnicas para obter um total controle e dominação das massas e existem vários registros de utilizações anteriores. A mensagem subliminar pode ser utilizada tanto para vender alguma coisa, como para passar ideologia, o que pode ser ainda mais preocupante do que a primeira.

Apesar de proibidas, não existe muito controle sobre anúncios, filmes e comerciais veiculados atualmente para inibir este tipo de mensagem. Isso pode ser extremamente perigoso para todos nós, que estamos diariamente expostos a uma poluição visual muito grande(principalmente para quem, como eu, mora nos grandes centros urbanos). Podemos estar sendo manipulados sem que saibamos. Há inclusive chances de haver mensagem subliminar até na internet, com a utilização de tecnologias como o Flash que trabalha com frames e cenas, como no cinema.

Imagine os jovens brasileiros, cuja fonte de aprendizado infelizmente se concentra mais na televisão do que em colégios ou em cursos, sendo constantemente submetidos a mensagens de subordinação aos governanes, ou então, para piorar, recebendo mensagens de incitação ao ódio ou racismo. Com certeza dentro de alguns anos a incidência de crimes deste tipo aumentariam consideravelmente.

Fabrício Alves fabricio@grito.com.br
Formado em Publicidade e Propaganda pela Universidade Anhembí Morumbi, atualmente trabalhando como Coordenador de Criação pela empresa de design IDmídia e com um projeto paralelo, o site de design e publicidade Fcraft.

Fonte: Site Grito (www.grito.com.br)