Seleção e Orientação Profissional

Por Márcia Vasconcellos de Lima e Silva

2000



Entrevista semi-estruturada: embora o roteiro tenha sido previamente preparado, a entrevista fluiu de maneira informal. Portanto, resolvemos elaborar uma pequena redação da entrevista, quando a entrevistada não respondia a alguma pergunta específica ou quando, pelo contrário, respondia a mais de uma pergunta de uma única vez, formando um " bloco " de respostas. Com relação às demais questões do roteiro, relacionaremos as mesmas com suas respectivas respostas.

Roteiro:

Formação do profissional entrevistado;
contextualização da empresa no mercado de trabalho hoje (perfil da empresa);
exigências do mercado de trabalho (atual e futuro);
perfil do profissional do Terceiro Milênio;
tipos de recrutamento e seleção (tipos de instrumentos de seleção que são utilizados);
ambiente de trabalho;
como se dá o processo de recrutamento e de seleção nesta empresa;
o processo de terceirização acontece nesta empresa? Como? Porque não?;
como a empresa está reagindo frente à globalização?;
qual a posição do psicólogo nesta empresa - como ele é visto e tratado?
A pessoa entrevistada é uma psicóloga formada há dez anos, que trabalha no Grupo/Empresa Bozzano Simonsen desde 1988 época em que foi efetivada para preencher uma vaga de analista de R.H. Júnior. Graduou-se pela universidade Gama Filho e sempre quis trabalhar em empresa, só tendo feito estágio nesta área na época de sua formação acadêmica. Fez uma pós-graduação em Psicologia Hospitalar e, em 1995 concluiu um curso de formação em Psicoterapia Humanista - Existencial (Rogers) no CPP (Centro de Psicologia da Pessoal). Neste mesmo ano, a área de R.H. da Bozzano foi terceirizada e a entrevistada passou a fazer consultoria para a empresa e a atender na clínica rogeriana, tanto no CPP quanto em um consultório que conseguiu montar em Niterói.
O processo de terceirização ocorreu - como já foi dito - em 1995 com um plano de demissão incentivado . Quer dizer: a empresa reduziu em muito o número de seus funcionários, porém oferecia benefícios para aqueles que quisessem continuar prestando serviços para ela, tais como: 3 meses de plano médico, cursos de Informática e um programa de salários que funcionava da seguinte forma: aqueles que continuassem até 5 anos ganhariam 50% do salário trabalhado por ano; de 5 a 10 anos trabalhando para a empresa, 75%; e os que permanecessem por mais de 10 anos ganhariam o salário integral, ou seja, 100%.
Antes da terceirização, o setor de R.H. possuía quatro áreas separadas com muitos analistas trabalhando nelas. As áreas eram: recrutamento e seleção; treinamento; cargos e salários e departamento de pessoal. A entrevistada só não trabalhou neste último.
Após a terceirização, o setor de R.H. hoje ficou reduzido a duas pessoas que fazem a ponte com as consultorias que são três, atualmente: departamento de pessoal; treinamento e desenvolvimento; e recrutamento e seleção e cargos e salários que ficaram acopladas em uma só.

Processo de Recrutamento e Seleção:

O recrutamento na Bozzano Simonsen começa com a procura em arquivos de currículos cadastrados, classificados e direcionados para a área que pede o recrutamento. Esta empresa raramente recorre à técnica de Anúncio de Jornal ou outras fontes, visto possuir um vasto arsenal de currículos e propostas de empregos em seus arquivos. Já utilizou, no passado, mão-de-obra encaminhada por agências de recrutamento que lhe enviavam candidatos pré-selecionados.
Uma vez recrutado, ou seja, chamado, o candidato se submete ao seguinte processo de Seleção:

entrevista inicial - funciona como uma espécie de triagem com a checagem e atualização da ficha cadastral e do currículo do candidato;
entrevista psicológica - em que a psicóloga conversa com o candidato, aplica o teste projetivo Wartegg e faz uma análise grafológica. Recorre, também, às vezes, a dinâmicas de grupo com jogos, simulações e dramatizações, quando o número de candidatos supera - em muito - o número de vagas.
depois dessa etapa, a psicóloga ( consultora ) elabora um laudo/fechamento e faz uma devolução objetiva para todos os candidatos. Quando a devolução é positiva, o candidato é encaminhado para uma entrevista técnica na área que pediu o recrutamento.
Projeto " Novos Talentos" - aquilo que é conhecido como "trainée" em outras empresas. Trata-se de um projeto implantado na Bozzano há quatro anos, sob a coordenação da entrevistada, a fim de dar uma oportunidade àqueles que estão se formando ou são formados há um ano. A divulgação é feita nas faculdades e os candidatos já sabem, de antemão, que trabalharão direta, específica e unicamente na Área Financeira do banco. Esta oportunidade é oferecida semestralmente.
Aqui, o processo de seleção é diferente. Primeiramente, é feita uma triagem das fichas e currículos que devem obedecer a certos critérios, tais como: o candidato precisa estar no último ano de faculdade ou ser formado há um ano, no máximo e precisa ter média acima de sete em seu histórico escolar. Feito isso, o candidato é submetido a uma Prova de Conhecimentos Gerais, Português e Redação e a uma avaliação de Inglês e Informática.
Após essa etapa, os candidatos triados serão submetidos a Dinâmicas de Grupo ( jogos e simulações ). Esta fase também é eliminatória. Os pré-selecionados são, então, encaminhados para a Entrevista Psicológica, na qual também se aplica o teste Wartegg e o grafológico.
Finalmente, os candidatos selecionados são encaminhados para uma entrevista na Diretoria. OBS: o motivo pelo qual os candidatos só podem trabalhar - caso sejam selecionados - na Área Financeira, é porque a mesma, juntamente com a área de Mercado Financeiro, são as únicas áreas afins do banco. Todas as demais áreas foram terceirizadas (R.H., Informática, Manutenção e Limpeza, etc.).
Quanto ao ambiente de trabalho, existe uma grande abertura, no sentido de que a entrevistada, por exemplo, antes da terceirização, podia falar tanto sobre candidatos quanto sobre problemas/situações de funcionários, que tinham livre acesso a ela. Depois da terceirização, isso não ocorre mais. Entretanto, com um número bem reduzido de funcionários, qualquer um deles pode se dirigir diretamente ao Presidente, sem passar por nenhum tipo de burocracia. Existe, pois, bastante interação entre a empresa e todos os que trabalham nela ou para ela.
Trata-se de uma empresa com poucos níveis hierárquicos:

Presidência;
Diretorias;
Gerências;
Analistas ( consultores - funcionários especializados );
Auxiliares ( administração - funcionários s/conhecimentos técnicos ).
Contextualização/Perfil da empresa no mercado de trabalho hoje

O Bozzano Simonsen é o maior banco do Brasil em investimentos. Quanto à questão do mercado de trabalho é muito procurado, pois é bastante sólido em tempo, credibilidade e remuneração. Possui um sistema de bônus/ premiação aos seus funcionários após um ano e meio, de acordo com a produtividade ( para quem entra na área técnica ).

A Empresa e a Globalização

Bem, neste ponto, a empresa está globalizada. De três anos para cá abriu filiais em alguns pontos do mundo: E.U.A, Inglaterra, Argentina e Hong-Kong (antes da queda da bolsa, é claro). E pretende continuar, aos poucos, seu plano de expansão mundial.

Exigências do Mercado de Trabalho (atual e futuro)

Segundo a entrevistada, considera que a tendência é que o mercado de trabalho seja cada vez mais exigente. E, para isso, não basta apenas possuir boa formação escolar (nas escolas mais reconhecidas); possuir conhecimentos de Línguas e Informática (incluindo internet), nem mesmo possuir formação em Harvard, por exemplo. Faz-se necessário, além das qualidades e aptidões acima citadas, que o candidato apresente características pessoais que se encaixem ao cargo e ao local de trabalho, bem como, tenha uma posição bem definida frente à vida - o que realmente quer e pretende para si em termos pessoais e profissionais.
A tendência é a de uma objetivação e praticidade cada vez maior. Percebe-se isso, claramente, através dos currículos que se antes eram extensos e detalhados, atualmente só possuem - de preferência - uma página que sintetize a formação daquele profissional e suas pretensões.

Perfil do Profissional do Terceiro Milênio

A entrevistada considera que o profissional do 3o. Milênio deve ser, antes de tudo, uma pessoa "centrada" - que saiba definir o que quer, para que quer, por que quer, de maneira consciente com seus objetivos de vida. Deve ser flexível e muito bem informado acerca do que ocorre no mundo (globalização, Mercosul). Por fim, deve ser generalista, ou seja, possuir uma visão ampla que lhe possibilite vislumbrar novos horizontes. Aqui, a entrevistada fez uma clara distinção entre o funcionário especialista em uma determinada área e o generalista, que deve ser especialista em algo mas ser, também, uma visão totalizadora da empresa e do mundo.