O Poder da Simplicidade

Gilberto Wiesel

10/07/2008


Neste exato momento, estou voando de Aracaju para São Paulo e depois para Porto Alegre. Não sei por que, mas me deu uma vontade muito grande de escrever. Então, liguei meu computador e comecei.
Fiz isso porque acho que, nessas horas, devemos dar atenção ao nosso inconsciente, deixar que se manifeste e coloque para fora a sua vontade. Fico imaginando o que fazem essas pessoas nesse avião. Quais são suas profissões, quais os seus pensamentos, suas angústias e incertezas, o que as move?
Estamos todos aqui sem que nos conheçamos e, talvez, nunca mais nos encontremos e, se nos reencontrarmos, não nos lembraremos mais deste momento. Todos temos nossa história, alguns chegarão ao seu destino e haverá alguém para esperá-los, outros talvez não. Seguirão sozinhos para casa ou para o trabalho.
Como é interessante a vida e como é engraçado ficar pensando sobre essas particularidades. Por acaso você nunca pensou sobre isso? Nunca sentiu curiosidade para saber? Nunca divagou em seus pensamentos?
Estou voltando de um trabalho realizado, no qual senti grande prazer ao conviver com pessoas muito simples, porém com um coração enorme. Por ser uma palestra para professores no interior do Estado da Bahia, o local em que ficamos não tinha grandes estruturas de hospedaria. O único lugar que existe é a pousada do Sr Givaldão. É Givaldão. Novamente, pude constatar uma certeza sobre a qual vivo falando em meus eventos. Muitas vezes é nos lugares mais inóspitos que estão as grandes surpresas, é nesses lugares, que encontramos pessoas muito simples, sem nenhuma preparação, sem nenhuma cerimônia, no entanto, com uma enorme vontade de atender e receber bem, com um coração fantástico.
Constantemente, devido às viagens e eventos, acabo freqüentando hotéis de luxo, mas neles não tive o privilégio de achar o que encontrei na pousada do seu Givaldão. Como seria interessante para as pessoas que trabalham nesses hotéis aprenderem um pouco com ele o que é atendimento. Como é colocar o coração à frente de qualquer regra preestabelecida.
As pessoas estão muito automatizadas, todas preocupadas em fazer o que tem que ser feito, sem se importarem e pensarem se aquilo que estão fazendo é realmente o melhor para todos. Quando deixamos de lado nossa intuição, nossos sentimentos, nossas emoções, para seguirmos regras, passamos a agir como pessoas desprovidas de qualquer sentimento, robotizamo-nos.
Voltando ao senhor da pousada, ele só sabia de uma coisa, tinha que ser gentil e buscou dentro do seu conhecimento, da sua simplicidade, dos seus valores, tudo o que precisava para atender a essa expectativa, sem seguir nenhuma cartilha sobre bom atendimento, ou seja, seguiu o seu coração, fez o simples, o básico e o fez com amor.