Ordem e Progresso

Por Suyen Miranda

16/05/2008


 

Quando eu pensei neste tema juro que não foi só com base no texto de nossa bandeira; pensei primeiramente em o que é fundamental para que as contas, seja de quem forem, comecem a ganhar organização para então se tornarem rendosas.

Ao falar em ordem, penso em algo maior que facilite a vida para todo mundo: ou seja, que as informações estejam disponíveis de forma que todos os envolvidos na administração direta das finanças pessoais possam tomar as providências necessárias. De nada adianta, no lar, ter tudo arrumadinho quanto às contas mas só quem sabe é o fulano, que naquele momento não está disponível... já viu antes isso, né?

A ordem tem a ver com delegação, deixar pronto para que outros – que pode ser a esposa, o noivo, os filhos, os pais – possam desenvolver as tarefas financeiras a contento. Lembro sempre que as finanças pessoais envolvem todos os indivíduos da família, ou mesmo da gestão da empresa. De nada adianta somente uma pessoa se esforçar pelo bem estar financeiro e todo o resto da família gastar a mancheias...

Com todos participando, a ordem se estabelece, porque todos passam a se comprometer com o resultado. É isso mesmo que você leu: todos passam a ter acesso a informação, e naturalmente vão querer dispor dela – o que fará da ordem pré-requisito para tudo funcionar corretamente, pois esta ordem será estabelecida por todos, e mantida pelos mesmos.

Com esta ordem e organização, com a consciência de novos procedimentos no uso do recurso – que pode ser dinheiro, mas se aplica a tudo, até o conteúdo da geladeira – fica mais claro o cenário de um futuro a curto, médio ou longo prazo. Costumo brincar em alguns treinamentos que, de posse de uma planilha financeira, qualquer um se torna um fortune teller – clarividente, futurólogo, vidente, seja o que for – e dá para realizar boas “previsões” do que virá em termos financeiros...

O desenvolvimento das “previsões” tem também o comprometimento, outro aspecto que a ordem traz. Com base no comprometimento de todos os envolvidos com um objetivo claro e factível (ah, importante: que seja realizável. De nada adianta, como muitas vezes chega até mim, que o sonho seja algo impossível, como “eu queria tanto que no passado eu tivesse feito tal coisa”. Só para lembrar: o tempo não volta atrás... pelo menos até hoje). Se estas premissas forem atendidas, grandes chances terá o sonho de ser realizado.

Nas palestras sobre Saúde Financeira quase sempre encontro pessoas que usam do dinheiro para fins emocionais. Gosto de propor o contrário: usar a racionalidade para daí realizar grandes emoções. Nada mais é do que buscar ordem no processo de criação e geração do recurso financeiro para posteriormente adquirir aquilo que será o foco de grande emoção, e que pode levar a grandes progressos. Experimente colocar as finanças em ordem para colher num futuro bem próximo progresso e sucesso, nesta ordem!

Suyen Miranda é publicitária, jornalista, consultora em qualidade de vida, pesquisa o comportamento humano nas sociedades e realiza palestras motivacionais, treinamentos comportamentais e coaching, com experiência internacional. Mais detalhes no site www.suyenmiranda.com.