O que Causa o Estresse

Por Jorge Antônio Monteiro de Lima

16/07/2010

 

Falando do estresse patológico a perda na qualidade de vida em seu sentido mais amplo. O estresse para nós tem duas grandes fontes no aspecto psicológico:

A) Desequilíbrio intra psíquico- o que caracteriza um estado neurótico de desequilíbrio da personalidade no qual o centro da consciência ou Ego (Eu) não consegue ter forças para mediar o que ocorre na consciência e no inconsciente. Esta estrutura está vinculada diretamente a perda de sentido de vida- da ideologia pessoal, auto realização, do sagrado- e as crises afetivas que detonam a psique pela afetividade dando ao ego o sentimento de impotência frente ao que este apreende e absorve. Uma impotencia fictícia mas, que acaba por agravar o quadro patológico de um paciente.


B) Por outro lado emerge a incapacidade do Ego (Eu) em lidar com as situações exteriores, ou seja com os fatos da vida. A perda de um emprego, endividamento por altas taxas de juros, contas, violência urbana, decadência moral e espiritual, mercantilização da afetividade, tudo isto pode ser fator desencadeante do estresse.
Mas em ambas as situações o estresse só poderá ocorrer frente ao desequilíbrio do eixo organizador da consciência que é o Ego, que em ambas situações seja na intra psíquica quanto na extra psíquica estará em desequilíbrio.


Na atualidade o fato de em toda sociedade tratarmos o ser humano como uma máquina, programável, cujas respostas são "absolutamente" previsíveis "(estilo behaviorismo radical), demarca o homem máquina.
O paradigma de alta produtividade em curto espaço de tempo com qualidade total em alta motivação nos impõe isto. Quantas pessoas não trabalham em 2 ou 3 empregos acreditando que podem ficar milionárias em curto espaço de tempo? Estamos na era do não humano, da informática, da globalização, do excesso de comunicação, das receitas prontas. Vivemos a era da velocidade na qual o ritmo biológico não pode ser respeitado, ao contrário o ser humano quer impor seu ritmo ao universo numa profunda inflação de Ego- onipotência.
Na área de saúde isto é facilmente visível quando nos deparamos com uma estrutura mercantilizada, a pílula milagrosa da felicidade, a terapia da moda, o marketing agressivo que deixa o humano de lado e trata a saúde como mero produto de consumo.
Só que tudo isto vem massacrando nossa essência, nossa afetividade. Não somos máquinas programáveis, alvo dos reality show de televisão. Não somos ratos de laboratório enjaulados em estímulos e respostas previsíveis. Somos seres humanos cuja afetividade emerge no patológico do estresse elevado pelo fato de nos distanciarmos da vida simples e pacata do passado.
Vou apontar dois fatos de cunho social que vem globalizando o estresse:
A insegurança econômica que na atualidade está globalizada, visto que estamos numa crise econômica, que conduz ao empobrecimento acelerado da população com perda total de segurança e como exemplo observe que se uma bolsa de valores quebrar todas no planeta vão junto.
Para completar a encrenca estamos numa sociedade que exalta a violência absurdamente. Voltamos a arena romana só que agora sem sair de casa. Os noticiários viraram sinônimo de escândalos e de chacinas ao vivo aumentando a audiência. Uma violência que está pela televisão distribuída democraticamente em todos pontos do país e no exterior. Resultado prático: perda de esperança no ser humano, aumento da violência urbana, crise moral e política, adoecimento do espírito e afastamento de nossa verdadeira essência, tensão nervosa e estresse. Podia falar meses sobre isto mas acho que já basta.
Abordei muito este tema todo em meu livro "O encontro" falando tais questões na forma de um romance. Fiz isto para poder ilustrar bem tais situações trazendo o leitor para uma introspecção sobre sua própria vida.


Jorge Antônio Monteiro de Lima é pesquisador em saúde mental, Psicólogo e musico Consultor de Recursos Humanos Consultoria para projetos de acessibilidade para pessoas com necessidades especiais email: contato@olhosalma.com.br - site:www.olhosalma.com.br