Medicação e ansiedade

Por Jorge Antônio Monteiro de Lima

06/09/2010

 

São elementos fundamentais para um bom prognóstico. Devemos levar em conta sempre que o tratamento medicamentoso é um auxiliar e que ele sozinho terá pequena ação em média de 30%.

O ideal é que possamos combinar os tratamentos sintomáticos com outros que quando combinados melhoram ainda mais o prognóstico de um paciente. Particularmente gosto de ver a combinação dos tratamentos alopáticos tradicionais agregados a outros tratamentos como a fitoterapia, a homeopatia e a acupuntura.

Nossa equipe médica emprega no primeiro momento a alopatia com os remédios ideais para cada caso em questão. No segundo momento, ou seja, quando o paciente sair da crise aguda e estabilizar seu quadro clínico, agregamos ao tratamento convencional a homeopatia, a fitoterapia ou a acupuntura.

Logicamente empregando tais técnicas por médicos especialistas que são associados a nossa OSCIP.

A cura pela medicação é algo bem complicado para discutirmos. Mas nossa observação nos aponta para detalhes bem importantes:

A) No tratamento alopático o paciente deverá ser observado pelo profissional a cada 21 dias em média, isto por que são necessários ajustes da medicação em dosagens, visto que cada organismo reage de um jeito. Os remédios trazem bem estar no máximo em 21 dias estabilizado o quadro do paciente minimizado as crises. Se isto não ocorrer algo de errado estará acontecendo.

Nem sempre o paciente adapta se a um medicamento. Alem disto os efeitos colaterais existem atacando as vezes mais um indivíduo do que outro. Todo tratamento medicamentoso enfim é subjetivo, pois cada indivíduo reagirá de uma forma específica a uma substancia. Se considerarmos que tais remédios atuam no sistema nervoso isto fará com que tal subjetividade aumente ainda mais. Por isto recomendamos tal freqüência ao médico responsável pelo tratamento.

O paciente e a família aqui terão papel fundamental na fiscalização do tratamento e da melhora do paciente.

B) Por sua vez os tratamentos agregados como a homeopatia, fitoterapia, acupuntura são excelentes após a estabilidade de um paciente, ou seja, fora da crise aguda. Mas cada indivíduo responde a um tipo específico, uns se dão bem com a homeopatia, outros respondem melhor com a fitoterapia, outros com a acupuntura. Novamente a subjetividade. Em nossa experiência tais técnicas quando agregadas potencializam a possibilidade de melhora. Juntamos técnicas sintomáticas com técnicas preventivas o que aumenta para 50% do prognóstico por tratamentos medicamentosos. Veja artigos que colocamos no nosso site sobre a acupuntura e homeopatia voltados para tais patologias.

Sempre digo a meus pacientes que o que fazemos na verdade é uma grande experimentação, e isto deveria ser sempre dito pelos médicos. Você será seu laboratório. Já vi pacientes hipersensíveis a medicação responderem bem a subdosagens químicas de soníferos, enquanto outros necessitavam de doses cavalares. Aqui não existem regras acompanhando esta linha de raciocínio veja que infelizmente certos profissionais fazem o contrário, não acompanham seus pacientes, e lhes prescrevem um kit de receitas para seis meses, sem a menor avaliação periódica do paciente o que é um crime.

Veja que existem riscos de viciar um paciente em ansiolíticos, existe a tolerância a um determinado remédio, pode existir uma rejeição a uma droga ou uma não resposta positiva. Por isto as visitas devem ser freqüentes até que o paciente esteja curado.


Jorge Antônio Monteiro de Lima é pesquisador em saúde mental, Psicólogo e musico Consultor de Recursos Humanos Consultoria para projetos de acessibilidade para pessoas com necessidades especiais email: contato@olhosalma.com.br - site:www.olhosalma.com.br