Feedbacks e Feedforwards:

um verdadeiro líder tem que saber antes de tudo como cuidar das equipes de trabalho

Por Marcus Vinicius P. Oliveira

13/07/2007

 



Para grande parte das empresas que entendem a mensagem insipiente da sustentabilidade, é impossível transitar sobre este assunto sem compreender a importância da liderança e de sua comunicação com as equipes de trabalho. É comum que este assunto seja tratado, mas não completamente esgotado, através das avaliações de desempenho 360º, cujo feedback apresenta-se como ferramenta chave.Porém, é preciso mais do que falar sobre os fatos ocorridos,sobre o passado; é preciso ressaltar os próximos passos e o futuro, acrescentando o feedforward.

Pensar no futuro ou nos passos seguintes é o grande insight para uma liderança inspiradora. Para isso, sem sombra de dúvida, é importante compreender os históricos, e também igualmente compreender o desempenho à luz do aqui-e-agora, de forma a projetar dias melhores e, acima de tudo, pessoas e equipes melhores para o futuro.

Para que este movimento possa acontecer, é necessário que se melhore, em primeiro lugar, o feedback, a capacidade de analisar a históricos em seus sucessos e fracassos. A seguir, algumas dicas que podem ajudar na qualidade do feedback executado pelas lideranças:

Faça constantemente a análise do desempenho de suas equipes, independente das datas destinadas às avaliações oficiais. Esta repetição permite a maior aproximação e exercita a qualidade das análises pela liderança. Quanto mais o fizer, maior será a probabilidade de acertos e do desenvolvimento da confiança mútua;

Nunca se esqueça dos componentes afetivos de um feedback. É fundamental que o (s) interlocutor (es) perceba (m) que o seu líder é uma pessoa, alguém sensível (que se alegra e fica triste) que vibra e torce pelo sucesso de sua equipe e de seus componentes,individualmente;

Procure agrupar os elementos de mesma natureza em sua análise. Não se prenda, exclusivamente, a pontos isolados de fracasso ou de desvios de comportamentos; cite-os como evidências, mas agrupe-os em categorias que poderão ser trabalhadas posteriormente enquanto treinamento da equipe;

Nunca deixe para a última hora a preparação do “feedback oficial”. Sempre tenha a consciência que do outro lado existe uma pessoa esperando por algo que lhe ajude em seu desempenho. A falta de preparação pode levar à “Síndrome dos Últimos Dias”, onde a última impressão é a que fica e isto pode gerar uma avaliação com pouca acuidade e pouco justa.

Em complemento à postura do líder,ainda, deve-se observar que o feedback, enquanto análise deve contemplar a inter-relação dos seguintes pontos:

A clareza das metas estabelecidas pela organização e as formas propostas para atingi-las;

Os recursos destinados para que as equipes pudessem desenvolver seus trabalhos;

As competências técnicas presentes e características comportamentais predominantes nas equipes de trabalho.

Após esta análise é que se torna possível a realização do feedforward com o processo complementar do feedback. A partir da compreensão dos históricos de desempenho, características da organização, das competências presentes e dos comportamentos predominantes enquanto indivíduo e grupo podem-se efetuar as sugestões para o futuro.

As dicas para que os líderes iniciem o feedforward são:

Procure associar ao feedback oficial sempre duas sugestões estruturadas (com início, meio e fim) para que o seu interlocutor possa melhorar o seu desempenho, independente ou apesar das características da organização;

Permita-se a receber também sugestões de seu interlocutor. Anote-as e demonstre sua capacidade de seu auto-analisar, respondendo-lhe no futuro como foram utilizadas as dicas. Agradeça cordialmente as sugestões;

Demonstre prazer em propor e se permitir às mudanças. Faça deste momento uma celebração para o compromisso de crescimento individual e da equipe.

Através do feedforward acrescenta-se outra dinâmica aos relacionamentos empresariais e principalmente,à visão de sustentabilidade, uma vez que esta condição só pode ser alcançada através das pessoas e de relacionamentos amadurecidos; mesmo que aparentemente os principais pontos se curvem para os aspectos econômicos. Todo resultado é ação de pessoas e equipes sobre suas realidades.

Resumindo, pensar em feedback e feedforward,é imaginar que um líder sempre está disposto e inspirado a oferecer um PRESENTE aos seus liderados a cada conversa sobre seus desempenhos como pessoa e membro de uma equipe organizacional.

Dias fantásticos para todos!

Marcus Vinícius P. Oliveira - Psicólogo organizacional, palestrante e consultor de empresas. Autor do livro de bolso “O passo além da competição”. Diretor da Liner Consultoria.