Estresse e esgotamento

Por Jorge Antônio Monteiro de Lima

16/07/2010

 


Esgotamento

Esgotamento, atualmente, é um termo de uso corrente entre as pessoas participantes daquilo que chamamos vida moderna. Ninguém gosta de pensar na Ansiedade, no Estresse, no Esgotamento ou na Depressão como formas de algum transtorno emocional, é claro.

Isso pode parecer muito próximo do descontrole, da piração ou da loucura e, como de fato, todos temos a possibilidade de sermos afetados pelo estresse, pelo esgotamento ou pela depressão pelo menos alguma vez na vida, então será melhor não considerá-los como formas de algum transtorno emocional.

Não se pode entender Esgotamento sem entender antes a Ansiedade e o Estresse. Esgotamento é o estado emocional que se encontra a pessoa depois de ter passado por um período extenso de estresse e de ansiedade. Nessa circunstância "esgota-se" a capacidade de adaptação, a tolerância e a energia para continuar a luta pela vida.

Estresse

O estresse é o estado de tensão emocional que produz um estado psicológico desagradável caracterizado por irritabilidade, distúrbio de sono e do apetite, dificuldade na concentração, e preocupação exagerada com relação a situações triviais. Em geral há queda no rendimento, com diminuição da memória e impotência.

Pode ser desencadeado por uma situação súbita (um assalto, por ex.) ou por situações conflitantes continuas e seguidas.
Na terceira idade as situações "estressantes" podem levar a alterações cardiovasculares, hipertensão arterial, com diversas conseqüências, às vezes graves, como o infarto do miocárdio, doenças gástricas e intestinais.

Outras vezes pode ser acompanhado de distúrbios psicológicos os mais variados, como depressão ou agitação. Pode ocorrer o agravamento de uma doença que estava equilibrada, como o diabetes, por ex.

Para o seu tratamento é fundamental identificar-se a sua causa. O seu tratamento se baseia em relaxamento, exercícios físicos, e uso de substâncias psicotrópicas.

Nas ultimas duas décadas foi dada grande atenção aos fatores geradores de tensão e suas conseqüências em pessoas jovens, como o que ocorre nas doenças cardíacas que tem no fator tensional uma de suas principais causas, havendo um grande avanço na profilaxia e no tratamento das doenças das coronárias.

A maior arma contra o estresse é a atividade relaxante, que pode ser a fisioterapia, massagens, caminhadas ("jogging"), a musica, a pintura, etc., sempre realizada com regularidade. Na grande maioria das vezes são obtidos bons resultados sob orientação da terapia ocupacional que é direcionada ao combate da tensão emocional.

Todos nós estamos sujeitos a eventos estressantes: tensões nos relacionamentos, o trânsito da cidade, cobranças profissionais, etc. Quando falamos em estressares psicossociais, estamos nos referindo a eventos específicos, ou seja: valores ou circunstâncias do ambiente em que o indivíduo está inserido capazes de perturbar seu comportamento normal ou exacerbar um transtorno psíquico. Os estressores psicossociais atingem pessoas de qualquer idade e, quanto maior a sua gravidade, piores são as conseqüências. Os principais estressores psicossociais que podem influenciar o surgimento de uma perturbação comportamental em crianças e adolescentes vão desde uma mudança de escola, discussões em família e divórcio dos pais até morte dos pais, gravidez indesejada na adolescência, abuso sexual ou doenças crônicas capazes de levar a criança ou o adolescente à morte.


Jorge Antônio Monteiro de Lima é pesquisador em saúde mental, Psicólogo e musico Consultor de Recursos Humanos Consultoria para projetos de acessibilidade para pessoas com necessidades especiais email: contato@olhosalma.com.br - site:www.olhosalma.com.br