Entre Crises e Oportunidades

Por Rogerio Martins

10/11/2008



Em momentos de crises há grandes oportunidades para serem descobertas. Nenhuma novidade. Muitos “especialistas” comentam a respeito. Mas eu vou além: em momentos de crises e oportunidades o que vale mais são os seus valores.

Quais são os seus valores pessoais? O que é importante para você? Em que você acredita e não abre mão? Estas perguntas podem ajudar em momentos de crise, pois nos dão um referencial de como pensar e agir.

Nossos valores são estruturados através da educação que recebemos nos mais variados ambientes e das experiências pessoais, profissionais e sociais. Podem variar de pessoa para pessoa e são fundamentos essenciais do que somos. Porém, nossos valores individuais devem passar pelo filtro da moral.

Segundo Robert Srour - em Ética Empresarial - moral é um conjunto de valores e regras de comportamento, um código de conduta que coletividades adotam, sejam uma nação, uma categoria social, uma comunidade religiosa ou uma organização.

Isso me faz lembrar a seguinte situação: um grupo de crianças brinca próximo a duas vias férreas. Uma das vias ainda está em uso e a outra está desativada. Apenas uma criança brinca na via desativada, enquanto que as outras na via em operação. O trem está vindo e você está exatamente sobre aquele aparelho que pode mudar o trem de uma linha para outra. Você pode fazer o trem mudar seu curso para a pista desativada e salvar a vida da maioria das crianças. Contudo, isto significa que a solitária criança que brinca na via desativada será sacrificada. O que você faria?

Este tipo de dilema acontece ao nosso redor todos os dias. No trabalho, na família, na economia, na política, no trânsito. Temos que decidir e neste momento o que vale são nossos valores. O que você faria?

Em diversos treinamentos que apresento este caso a maioria das pessoas escolhe desviar o trem e sacrificar uma só criança. Porém, esta é a decisão mais acertada? Quais valores pesaram para tomar sua decisão? Número de crianças a serem sacrificadas? Risco para os passageiros ao entrarem em uma via desativada?

Você pensou que a criança que escolheu brincar na via desativada foi a única que tomou a decisão correta de brincar num lugar seguro?

Enfim, se estamos com nossas vidas cheias de fortes decisões que precisam ser tomadas, não podemos esquecer que decisões apressadas nem sempre levam ao lugar certo. Por isso vale o seguinte ditado: o que é correto nem sempre é popular; e o que é popular nem sempre é correto.

Reveja seus valores. Avalie sua missão. Repense sua visão. Se nunca os fez, faça agora. Estabeleça quais são seus princípios básicos de vida. Em que você acredita. Onde quer chegar. O que faria para atingir seus objetivos. E o que não faria. Enfim, escreva. Leia e faça as devidas correções sempre que necessário. O ser humano é dinâmico e muda constantemente; porém, seus valores devem ser os mais constantes possíveis. Sucesso.
 

Rogerio Martins é Psicólogo, Consultor de Empresas e Palestrante. Especialista em Liderança e Motivação. Sócio-Diretor da Persona Consultoria & Eventos. Autor do livro "Reflexões do Mundo Corporativo". Membro do Rotary Club de SP Santana (Distrito 4.430).
Contato: artigos@personaconsultoria.com.br / www.personaconsultoria.com.br