Aparência e o Mundo dos Negócios

Por Silvio Celestino

23/09/2007



Um estudo da Universidade Federal Fluminense revelou que as pessoas consideradas bonitas possuem rendimento entre 5 e 10% superior aos demais.

Sob o ponto de vista de Marketing Pessoal não há combinação mais poderosa do que competência e estética. As pessoas que são competentes e acham que isto basta devem repensar seus conceitos. Você não tem uma segunda chance de causar uma primeira boa impressão. Por mais inteligente que seja se não tiver a oportunidade de demonstrar sua capacidade, seu conhecimento ficará oculto dos demais. Preocupar-se com a aparência deixou há muito de ser uma questão de vaidade. No competitivo mercado de trabalho e com os recursos cosméticos existentes, nem o homem, nem a mulher podem se dar ao luxo de descuidarem de sua aparência.

Muito se fala sobre pessoas belas sem muita inteligência. Entretanto, penso que é o momento de nos preocuparmos em fazer pessoas bem preparadas se interessarem em ocupar posições relevantes nas empresas, nos governos e no mundo. Sendo assim, além de dedicar-se ao desenvolvimento intelectual, o profissional deve estar atento às questões estéticas. Barba e cabelo para o homem. Cabelo e maquiagem para as mulheres. Roupas, posturas e falas para ambos. Estes elementos devem coroar a pessoa com capacidade para assumir desafios. Mas, preste atenção às armadilhas, principalmente as mulheres: o objetivo da estética no mundo de negócios não é destacar sua beleza ou sensualidade, mas sua credibilidade. Sendo assim, muito cuidado com o que usa. No ambiente executivo o que se espera é que as pessoas se vistam de forma semelhante aos apresentadores de telejornal. Sobriedade, elegância e estilo nas doses certas para gerar impacto e simultaneamente uma atmosfera de credibilidade ao seu redor.