Agressão

Por Dr. Wagner Paulon

20/10/2009

 



Na Psicanálise, bem como de outras ciências sociais e comportamentais, a agressão se refere ao comportamento entre membros da mesma espécie que se destina a causar dor ou danos.

Predatórios ou comportamento defensivo entre membros de diferentes espécies normalmente não é considerado "agressão".

A Agressão leva a uma variedade de formas entre os seres humanos e pode ser física, mental ou verbal.

A agressão não deve ser confundida com a assertividade, embora os termos são muitas vezes utilizados alternadamente entre os leigos, por exemplo, um investidor na bolsa de valores agressivo.

Existem duas grandes categorias de agressão.

1º. Agressão hostil, afetiva ou de retaliação;

2º. Agressão instrumental, predatória, ou meta-agressão orientada.

A pesquisa empírica indica que há uma diferença fundamental entre os dois, tanto psicológica como fisiologicamente.

Algumas pesquisas indicam que pessoas com tendências à agressividade afetiva possuem QIs menores do que aqueles com tendência para a agressão predatória.

Em muitas e diferentes culturas humanas, os homens são mais propensos do que as mulheres de expressar agressão por meio de violência física direta.

As mulheres são mais propensas a manifestar a agressão, por meios indiretos ou não-físicos. Uma explicação para essa diferença é que, em média, as mulheres tendem a ser mais fraca fisicamente do que os homens, e assim necessidade de recorrer a outros meios.

Evolução da agressão

Como a maioria dos comportamentos, a agressão pode ser analisada em termos de sua capacidade de ajudar um animal a se reproduzir e sobreviver. Os animais podem usar a força para ganhar e garantir territórios, bem como outros recursos, incluindo comida, água e oportunidades de acasalamento. Os pesquisadores teorizaram que a agressão e a capacidade de assassinato são produtos de nosso passado evolucionário.

Agressão contra estranhos

O tipo mais aparente de agressão é observado na interação entre um predador e sua presa.

Um animal para defender-se de um predador se torna agressivo para sobreviver e para assegurar a sobrevivência da sua prole.

Devido à agressão contra um inimigo muito maior, ou grupo de inimigos levaria à morte de um animal, os animais desenvolveram um bom senso quando eles estão em desvantagem. Essa capacidade de medir a força de outros animais dá uma "luta ou resposta de" fuga para os predadores, dependendo do quão forte se avaliar, for o predador.

A necessidade de sobreviver e da viabilidade do comportamento cooperativo como uma estratégia de sobrevivência leva a um fenômeno conhecido como altruísmo. Um exemplo de um ato altruísta é o grito de alarme que é dado quando um predador se aproxima. Embora esta chamada será informar a comunidade da presença de um predador, mas também irá informar o predador do paradeiro do animal que deu o alarme. Embora isso pareça dar o alarme de um chamador desvantagem evolutiva, seria facilitar a continuidade dos genes deste animal, porque seus parentes e descendentes seria mais capaz de evitar predadores.

Segundo vários pesquisadores, a predação não é agressão. Os gatos miam baixo e arqueiam suas costas, quando em busca de um rato, e as áreas ativas em seus hipotálamos são mais semelhantes aos que refletem a fome do que aqueles que refletem a agressão.



Agressão dentro de uma espécie

Agressão contra coespecíficos serve uma série de efeitos que tem a ver com a reprodução. Um dos mais comuns desses efeitos é o estabelecimento de uma hierarquia de dominância.

Quando certos tipos de animais são inicialmente colocados em um ambiente comum, a primeira coisa que fazem é lutar para fazer valer o seu papel na hierarquia de dominância. Em geral, os animais mais dominantes serão mais agressivos do que seus subordinados. Existem muitas teorias que tentam explicar a forma como homens e mulheres desenvolveram estas diferentes tendências agressivas. Uma teoria afirma que, em espécies onde um sexo faz um maior investimento parental do que os outros, o sexo é o maior investimento de recursos para que o outro sexo compete: na maioria das espécies, as mulheres são as que mais investem no sexo. Sustenta ainda que o sucesso reprodutivo é cardeal para a perpetuação da linhagem de um organismo e as características hereditárias.

Para os homens, é de importância crucial para estabelecer o domínio e exploração dos recursos para obter oportunidades de reprodução, a fim de transmitir a sua genética. Ao contrário do sexo feminino, cujo sucesso reprodutivo é limitado pela gestação longa e períodos de lactação, o sucesso reprodutivo masculino é limitado pelo número de parceiros que poderiam cruzar com eles. Como resultado, os homens utilizam a agressão física mais freqüentemente do que as fêmeas, que assumem mais riscos, a fim de competir com outros machos e ganhar uma elevação de status.

Os machos podem ir tão longe como matar um outro, embora isso seja raro. Os machos demonstram menos preocupação com seu bem-estar físico em tais competições. Em contraste, as mulheres competem entre si por recursos, que podem ser convertidos para a prole.

O estabelecimento de uma posição dominante é mais oneroso para as mulheres do que para os machos e as fêmeas têm mais a ganhar com a realização de status.

A presença feminina é mais crítica para a sobrevivência da prole e, portanto, seu sucesso reprodutivo é maior do que o do próprio pai.

É lógico então que a saúde e o bem estar das fêmeas esta relacionado com a menor agressividade, baixos índices de risco e estratégias indiretas para adquirir recursos. Como resultado, na maioria das mulheres os conflitos femininos, raramente causam sérios danos a um outro sobre os recursos. Quando traduzido para a saúde humana, esses fatos sugerem que as mulheres devem ser esperadas para mostrar menos provas de hierarquias e de dominância que o dos homens.

Na sociedade, a agressão entre os meninos se torna cada vez mais motivado por questões de status social e auto-estima, que geralmente são decididos pelos diferentes graus de reação agressiva de desafio pessoal. A Agressão em meninas concentra-se principalmente na aquisição de recursos e não de estado, e tem mais probabilidades de ser fisicamente menos perigosa e a mais dissimulada forma de agressão indireta. Há, no entanto, críticas amplas do uso do comportamento animal para explicar o comportamento humano e da aplicação das explicações evolutivas do comportamento humano contemporâneo.

Agressão em humanos

A agressão em humanos difere em quase todos os aspectos da dos não-humanos (animais) na complexidade de sua agressão por causa de fatores como a cultura, costumes e situações sociais. Uma grande variedade de estudos têm sido feitos sobre estas situações.

Agressão e cultura

A cultura é um fator distintamente humano, que desempenha um papel na agressão. Kung e Bushmen eram descritos como pessoas "inofensivas" por Elizabeth Marshall Thomas (1958). Outros pesquisadores, no entanto, têm combatido este ponto de vista, calculando-se que a taxa de homicídios entre os bosquímanos é realmente superior ao da maioria das sociedades industriais modernas (Keeley, 1996). Lawrence Keeley argumenta que os selvagens "pacíficos" é um mito que não é suportado pela maioria das evidências antropológicas e arqueológicas. Coletores Hunter não lutam para obter posses, mas eles ainda podem chegar ao conflito sobre o estatuto e as oportunidades de acasalamento.

A investigação cultural baseada na experiência tem encontrado diferenças no nível de agressão entre as culturas.

Em um estudo, os homens americanos recorreram à agressão física mais facilmente do que os homens japoneses ou espanhóis, enquanto os homens japoneses preferiram o conflito direto (verbais) mais do que as suas contrapartes americanas e Espanholas (Andreu et al. 1998).
Dentro da cultura americana, os sulistas mostraram-se mais excitado e para responder de forma mais agressiva do que os nortistas quando afrontado (Bowdle et al. 1996).

Há também uma maior taxa de homicídios entre jovens brancos do que entre os homens do sul e os homens brancos do norte dos Estados Unidos (Nisbett, 1993).

Mudanças no comportamento dominante ou de status social provocam mudanças nos níveis de testosterona. Relatórios das mudanças na testosterona de homens jovens durante eventos esportivos, que envolvem face à concorrência face com um vencedor e um perdedor, revelam que a testosterona aumenta pouco antes de suas partidas, como se na expectativa da competição. Além disso, uma a duas horas após o jogo competitivo, os níveis de testosterona dos vencedores são elevados em relação aos níveis dos perdedores.

Agressão na mídia

Comportamentos como as agressões podem ser aprendidas por observação e imitação do comportamento dos outros. Uma quantidade considerável de evidências sugere que a violência sendo assistida na televisão aumenta em curto prazo a probabilidade de agressão em crianças (Aronson, Wilson & Akert, 2005), embora por um ponto de vista divergente, ver Freedman (2002). Os indivíduos podem diferir na forma como eles respondem à violência. O maior impacto é sobre aqueles que já são propensos a comportamento violento.

Adultos podem ser influenciados pela violência na mídia também.

Estudos apontam o aumento da agressividade à exposição à violência nos meios de comunicação e está associada a risco de curto-prazo, e nenhum desses estudos fornecem evidências definitivas de um mecanismo causal. Em vez disso, a violência na mídia pode ser um de muitos fatores que, pode desempenhar um papel de manutenção, destes meios violentos que tendem a ser selecionada por pessoas que são propensas à violência.

Agressão e Fatores Situacionais

*As bebidas alcoólicas

O álcool prejudica o discernimento, tornando as pessoas muito menos prudente do que elas normalmente são (MacDonald et al. 1996). O álcool também interrompe a forma como a informação é processada (Bushman 1993, 1997; Bushman & Cooper, 1990). Uma pessoa bêbada tem muito mais probabilidade de ver um acontecimento acidental em um proposital e, portanto, agir de forma mais agressiva.

*A agressividade aumenta com a dor e o desconforto.

Mesmo o simples ato de colocar as mãos em água fria pode provocar uma resposta agressiva.

Temperaturas têm sido implicadas como um fator em um número de estudos. Um estudo concluído no meio do movimento dos direitos civis descobriu que motins eram mais prováveis nos dias mais quentes do que os mais frios (Carlsmith & Anderson 1979). Estudantes, após a prova mensal em sala de aula quente tornaram-se mais agressivos, assim como, motoristas em autos sem ar condicionado usavam suas buzinas com maior freqüência (Anderson et al. 1996, a regra, et al. 1987), (Kenrick & MacFarlane 1986).

*Um dos estopins principais de agressão é a Frustração.

A agressão é aumentada com a frustração; quando uma pessoa sente que ele ou ela está sendo impedido de alcançar um objetivo (Aronson et al. 2005).

Frustração inesperada pode ser outro fator.

Há alguns indícios que sugerem que a presença de objetos violentos, como uma arma pode provocar a agressão. É possível que um estímulo à violência relacionada aumenta a probabilidade de cognições agressiva ativando a rede semântica.

Agressão e gênero

Sexo é um fator que desempenha um papel tanto na agressão humana e na animal.

Os machos são historicamente, fisicamente mais agressivos que as fêmeas (Coie & Dodge 1997, Maccoby & Jacklin 1974), e os homens cometem a maioria dos assassinatos (Buss 2005). Esta é uma das mais robustas e confiáveis diferenças de comportamento sexual, e tem sido encontrada em muitos grupos de diferentes idades e culturas. Há evidências de que os machos são mais rápidos para expressar a agressão física do que as fêmeas (Frey et al. 2003), (Bjorkqvist et al. 1994). No entanto, dentro da família, essas velhas crenças foram recentemente reavaliado (Richardson, 2005). Ao considerar formas indiretas de agressão, tais como a influência do poder ou mudança no ambiente que pode mudar de humor, bem como agressões relacionais e de rejeição social, as fêmeas e os machos são igualmente agressivos (Archer, 2004; Card, Stucky, Sawalani, & Little, 2008).

Embora as fêmeas são menos propensas a iniciar a violência física, elas podem expressar agressão, usando uma variedade de meios não-físicos para infligir danos aos outros.

Os métodos usados pelas mulheres para expressar a agressão é algo que varia de cultura para cultura.

Em Bellona Island, uma cultura baseada na dominação masculina e violência física, as mulheres tendem a entrar em conflito com outras mulheres mais freqüentemente do que com homens. Quando em conflito com os homens, em vez de usar meios físicos, elas inventam canções zombando do homem, que se espalha por toda a ilha para humilhá-lo.

Se uma mulher quer matar um homem, ela tenta convencer seus parentes masculinos para matá-lo ou contrata um assassino. Embora esses dois métodos envolvem violência física, ambos são formas indiretas de agressão, uma vez que a agressora evita se envolver diretamente ou colocar-se em perigo físico imediato.

Agressão em crianças

Tem-se observado com freqüência agressões físicas praticadas por crianças em torno de 2-3 anos de idade. Em seguida, diminui gradualmente em média. Estas observações sugerem que a agressão física não é principalmente um comportamento aprendido e que o desenvolvimento oferece oportunidades para a aprendizagem de auto-regulação. No entanto, um pequeno grupo de crianças não consegue adquirir a necessária auto-regulação e habilidades e tendem a mostrar níveis atípicos de agressão física em desenvolvimento. Estas podem estar em risco para o comportamento mais violento.

*Crianças e a assertividade

As crianças precisam se preparar para entrar na infância para desenvolver a habilidade social, de ser assertivo.

Exemplos de assertividade: pedir informações, iniciar uma conversa, ou ser capaz de responder à pressão do grupo.
Em contrapartida, algumas crianças utilizar o comportamento agressivo, como bater ou morder, como uma forma de comunicação.

O comportamento agressivo pode dificultar a aprendizagem como um défice de competências, enquanto que o comportamento assertivo pode facilitar a aprendizagem.

Na idade escolar, as crianças devem aprender formas socialmente mais adequadas de se comunicar, como se expressar através da linguagem verbal ou escrita, se elas não têm, esse comportamento pode significar uma deficiência ou atraso de desenvolvimento.

*Geradores de agressão em crianças

Medo físico dos outros, dificuldades da família, aprendizagem, processos neurológicos ou conduta, transtornos do comportamento, trauma emocional, agressões sexuais.

Bandura verificou que as crianças em contato com adultos de comportamentos agressivos tornam-se muito mais agressivas do que aquelas em contato com adultos
não agressivos.

Biologia da agressão

A agressão é dirigida e, muitas vezes provém de estímulos externos, mas tem um caráter muito distinto interno. Utilizando várias técnicas e experimentos, os cientistas foram capazes de explorar as relações entre as várias partes do corpo e da agressão.

Agressão no cérebro

Muitos pesquisadores se focaram no cérebro para explicar a agressão.

As áreas envolvidas na agressão em mamíferos incluem a amígdala, o hipotálamo, córtex pré-frontal, córtex cingulado, hipocampo, os núcleos septais, e cinzenta periaquedutal do mesencéfalo.

Por causa das dificuldades em determinar as intenções dos animais, a agressão é definida na pesquisa em neurociência como comportamento dirigido a um objeto ou animal que resulta em dano ou prejuízo para o objeto ou animal.
O hipotálamo e substância cinzenta periaquedutal do mesencéfalo são as áreas mais críticas para controlar a agressividade nos mamíferos, como demonstrado em estudos em gatos, ratos e macacos. Estas áreas do cérebro que controlam a expressão de todos os componentes comportamentais e autonômicas da agressão nestas espécies, incluindo vocalização. Eles têm ligações diretas com os dois núcleos do tronco cerebral e controlam essas funções e áreas como a amígdala e o córtex pré-frontal.

A estimulação elétrica do hipotálamo provoca comportamento agressivo, o hipotálamo expressa receptores que ajudam a determinar os níveis de agressão com base em suas interações com os neurotransmissores serotonina e vasopressina.

O córtex pré-frontal (PFC) tem sido implicado em psicopatologia do agressivo. Redução da atividade do córtex pré-frontal, em especial a sua porção medial e órbito-frontal, tem sido associada com a violência / agressão anti-social. Especificamente, a regulação dos níveis do neurotransmissor serotonina no CPF tenha sido ligado com um tipo específico de agressão patológica, submetendo induzida tipo ratos geneticamente predispostos, agressivo, selvagem, para ganhar experiência repetida; os ratos do sexo masculino selecionado a partir de linhas agressivas tiveram menor os níveis de serotonina no tecido do que o PFC baixa linhas agressivas neste estudo.

Os neurotransmissores e hormônios

Vários neurotransmissores e hormônios têm sido mostrados para correlacionar com o comportamento agressivo. O Hormônio mais citado é a testosterona. Em uma fonte, verificou-se que a concentração de testosterona é mais claramente correlacionada com respostas agressivas envolvendo provocação.

Na idade adulta, é evidente que a testosterona não está relacionada com os métodos de medição consistente de agressão em escalas de personalidade, mas vários estudos sobre a concentração de testosterona no sangue de criminosos condenados do sexo masculino que cometeram crimes violentos em comparação aos homens, sem antecedentes criminais ou que não cometeu crimes agressivos na maioria dos casos revelou que os homens que foram julgados agressivos / dominantes tinham concentrações mais elevadas de testosterona no sangue do que os sem antecedentes criminais. No entanto, uma correlação entre os níveis de testosterona e agressão não prova um papel causal para testosterona.

Estudos dos níveis de testosterona de atletas do sexo masculino antes e depois de uma competição revelou que, os níveis de testosterona subiram pouco antes de suas partidas, como se na expectativa da competição, e estão dependentes dos resultados do evento: os níveis de testosterona dos vencedores são elevados em relação aos dos perdedores.

Curiosamente, os níveis de testosterona nas criminosas do sexo feminino versus fêmeas, sem antecedentes criminais espelho dos homens: os níveis de testosterona são mais elevados em mulheres que cometem crimes e são consideradas agressivas.

Estudos indicam que o uso de esteroides anabolizantes provoca aumento da agressividade, advindo daí a raiva.

Outra linha de investigação centrou-se mais sobre os efeitos da testosterona circulante no sistema nervoso mediado pelo metabolismo local dentro do cérebro. A testosterona pode ser metabolizado a 17b-estradiol pela aromatase, enzima ou a 5a-diidrotestosterona pela 5a-redutase. Aromatase é altamente expressa nas regiões envolvidas na regulação do comportamento agressivo, como a amígdala e o hipotálamo.

Em estudos utilizando técnicas de genética knock out em camundongos endogâmicos, os ratos do sexo masculino que faltava uma enzima aromatase funcional apresentado uma acentuada redução da agressão. O tratamento em longo prazo destes ratos com estradiol restaura parcialmente o comportamento agressivo, sugerindo que a conversão neural da circulação de testosterona para estradiol e seu efeito sobre os receptores de estrógeno afeta a interagressão masculina. Além disso, dois tipos de receptores de estrógeno, ERA e ERb, foram identificados como tendo a capacidade de exercer diferentes efeitos sobre a agressão.

Os glicocorticóides também desempenham um papel importante na regulação do comportamento agressivo. Em ratos adultos, injeções agudas de corticosterona promovem um comportamento agressivo e a redução aguda de agressividade diminui a corticosterona, no entanto, uma diminuição crônica dos níveis de corticosterona pode produzir um comportamento anormalmente agressivo. Além disso, os glicocorticóides afetam o desenvolvimento de agressão e de estabelecimento de hierarquias sociais. Camundongos adultos com baixos níveis basais de corticosterona são mais propensos a se tornar dominante do que os ratos com altos níveis basais de corticosterona.

Dehidroepiandrosterona (DHEA) é o andrógeno mais abundante em circulação e pode ser rapidamente metabolizado nos tecidos claros em andrógenos potentes e estrogênios.

Esteróides gonadais geralmente regulam a agressão durante a época de reprodução, mas os não-esteróides gonadais podem regular a agressão durante o non-breeding season.

Castração de várias espécies na época de reprodução não tem efeito sobre a agressão territorial.

Os níveis de DHEA também têm sido estudados em seres humanos e pode desempenhar um papel na agressão humana. DHEAS circulantes (seus ésteres sulfatados) níveis de elevação durante adrenarca (~ 7 anos de idade), enquanto os níveis de testosterona plasmática são relativamente baixos. Isto implica que a agressividade em crianças pré-púberes com transtorno de conduta agressiva pode ser correlacionado com DHEAS plasma ao invés de testosterona plasmática, sugerindo uma ligação importante entre SDHEA e comportamento agressivo humano.

Outro mensageiro químico, com implicações para a agressão é a serotonina do neurotransmissor. Em várias experiências, a ação da serotonina mostrou-se correlacionada negativamente com a agressão (Delville it al. 1997). Esta correlação com a agressão ajuda a explicar a redução da agressão e os efeitos dos inibidores seletivos da recaptação da serotonina como a fluoxetina (Delville et al. 1997), também conhecido como Prozac (medicação antidepressiva).

Os dois (2) mensageiros químicos mais investigados com relação à agressão foram a serotonina e a testosterona, outros neurotransmissores e hormônios têm sido mostrados para se relacionar com o comportamento agressivo também. A vasopressina neurotransmissora que provoca um aumento no comportamento agressivo quando presente em grandes quantidades no hipotálamo anterior (Delville et al. 1997). Os efeitos da noradrenalina, cortisol e outros neurotransmissores estão ainda a ser estudada.

Genética e agressão

O estudo foi realizado por Terry Moffitt, do Instituto de Psiquiatria da Universidade de Londres. Ele teve acesso a dados coletados pela Universidade de Dunedin, na Nova Zelândia, que desde 1972 acompanha, a partir do nascimento, 1 037 pessoas, entre homens e mulheres. A violência entre os jovens pode estar ligada à presença de uma enzima chamada MAO-A, que regula a quantidade de serotonina no cérebro, por sua vez ligada ao controle da agressão.

Além de todos os fatores externos e ambientais, a genética pode estar por trás da agressividade juvenil. Uma pesquisa sobre o assunto foi realizada por Juergen Hennig e publicada na Behavioral Neuroscience. Nela, é apontada a relação de componentes específicos de agressão relacionados a um gene chamado TPH.

Estudo conduzido por Juergen Hennig, PhD, contribui para o aumento de evidências que o tipo de comportamento agressivo que nós consideramos psicopático ou sociopático tem algumas bases genéticas que podem envolver níveis anormalmente baixos do neurotransmissor serotonina. Mais uma vez, polimorfismos do gene aparecem para influenciar diferenças individuais.

Componentes específicos de agressão em 58 participantes pareceram relacionados ao alelo U (variação) de um gene chamado TPH, um marcador que deve estar ligado a outro gene ainda desconhecido. Henning diz, "ligação significa que ambos os genes são transmitidos juntos, pois estão bem próximos no mesmo cromossomo".

Os pesquisadores mediram genótipos apelidados de AA, AC e CC. O genótipo "AA" estava associado com os índices mais altos de agressão, enquanto o genótipo "CC" estava associado com os índices mais baixos.

Usando outra amostra de 48 homens, os autores também validaram a distinção entre "hostilidade neurótica" e "hostilidade agressiva", esta última mais violenta e sem sentimento de culpa. Os autores dizem que sua descoberta enfatiza o valor de distinguir entre os diferentes aspectos de agressão.

Finalmente, apenas os homens "agressivamente hostis" liberaram índices altos de cortisol, o hormônio chave do estresse, depois de tomar uma droga antidepressiva que torna a serotonina mais disponível no cérebro.

Os autores especulam que, depois de serem privados de serotonina, os receptores neurais desses homens estavam sensíveis e reagiram além do normal, em parte por produzirem cortisol extra.

Juntando as três descobertas, Henning conclui que, "Nós descobrimos que os polimorfismos do gene contribuem para a variação que pode ser encontrada nos testes neuro-endócrinos e questionários de personalidade em indivíduos saudáveis. Isso demonstra que certos aspectos de comportamento relacionam-se a sistemas biológicos, tais como os sistemas neurotransmissores".

Uma variante genética rara que causa MAO-A deficiência tem sido associada com o comportamento violento nos homens.

Em 2002, um estudo publicado por pesquisadores do King's College de Londres encontraram uma ligação entre uma variante genética que causa os baixos níveis de MAO-A e aumento dos níveis de comportamento anti-social de pessoas que tinham sido maltratados quando crianças.

Em 2004 um grupo americano estudando macacos encontraram os chamados MAO-A, um gene "guerreiro". Um estudo de 2008 encontrou um resultado semelhante envolvendo a variante do gene da MAO-A, bem como os genes DAT1 e DRD2.

Nos três casos, as variantes destes genes foram associados com um risco elevado de comportamento violento e delinqüente, mas apenas em pessoas que experimentaram determinados esforços durante a infância.

 

Dr. Wagner Paulon - Formação em psicanálise (Escola Paulista), mestre em psicopatologia (Escola Paulista), psicologia (Saint Meinrad College) USA, pedagogia (FEC ABC), MBA (University Abet) USA, curso de especialização em entorpecentes (USP), psicanalista por muitos anos de vários hospitais de São Paulo.